A descoberta do Tesouro de Bresa

Houve outrora numa terra distante, um simples e modesto alfaiate chamado Enedim, homem esforçado e trabalhador, que por suas boas qualidades e amor no coração, era muito querido na cidade em que morava.

 

Enedim passava o dia inteiro, da manhã à noite, cortando, costurando e preparando as roupas de seus numerosos fregueses, e, embora, ganhando muito pouco, não perdia a esperança de vir a ser muito rico, senhor de muitos empregados e dono de grande quantidades de ouro, jóias e palácios.

 

  • Como conquistar, porém, essa riqueza?

 

Meditava o modesto alfaiate

 

  • Como descobrir um desses famosos tesouros que se acham escondidos?

 

Ouvira contar, histórias prodigiosas de aventureiros que haviam encontrado cavernas imensas, cheias de ouro... E não poderia ele, à semelhança desses aventureiros felizes, descobrir um tesouro fabuloso?

 

Ah! Se tal coisa acontecesse, ele seria, então, senhor de um imenso e magnífico palácio... Teria numerosos empregados, e todas as tardes, num grande carro de ouro, puxado por mansos leões, passearia sobre as muralhas daquele reinado, saudando amistosamente os Príncipes ilustres da casa Real.

 

Assim meditava o bondoso Enedim, quando um dia, parou à porta de sua casa, um jovem mercador, chamado Sazão, que trazia em sua carroça uma infinidade de objetos extravagantes que comprava por onde passava. Enedim se aproximou daquele mercador e começou a examinar as bugigangas vindas de diversas partes do mundo, quando algo chamou sua atenção, era uma espécie de livro com muitas folhas, em que se viam caracteres e palavras estranhos e desconhecidos. 

 

Qual não foi sua surpresa quando conseguiu decifrar, na capa do livro, o seguinte título: "O segredo do tesouro de Bresa". Não sabia como ele decifrou aquele texto, veio como que por inspiração o significado.

 

Por Deus! Aquele livro maravilhoso, cheio de mistérios, ensinava, com certeza, onde se encontrava algum tesouro fabuloso. O TESOURO DE BRESA!

 

Que tesouro seria esse? Enedim recordava vagamente já ter ouvido qualquer referência a ele, mas não se lembrava onde, nem quando. 

 

Era uma preciosidade aquele livro - conforme afirmava o mercador - e custava apenas três dinares. Muito dinheiro para aquele alfaiate, razão pela qual o mercador olhou no fundo dos olhos de Enedim e decidiu dar-lhe de presente.  Agradecido, Enedim o presenteou com um lindo manto de seda azul com bordas amarelas.

 

Logo que ficou sozinho com o livro Enedim tratou de examinar, sem demora, o bem que havia adquirido. E com o coração batendo forte, decifrou ainda: "O tesouro de Bresa, escondido pelo gênio do mesmo nome entre as montanhas do Harbatol, ali se acha ainda, até que um homem esforçado venha a encontrá-lo".

 

Harbatol? Que montanhas seriam essas que guardavam todo o ouro fabuloso de um gênio?

 

E o esforçado alfaiate, se determinou a decifrar todas as páginas daquele livro. Com o segredo de Bresa, conseguiria se apoderar do tesouro imenso escondido em algum lugar entre as montanhas da cordilheira do Harbatol.

 

As primeiras páginas eram escritas em caracteres de vários povos, o que fez com que Enedim estudasse os hieróglifos egípcios, a língua dos gregos, os dialetos persas e o complicado idioma dos judeus. 

Ao final de três anos Enedim deixava a profissão de alfaiate e passava a ser intérprete do Rei, pois não havia na região ninguém que soubesse tantos idiomas estrangeiros. 

 

O cargo de intérprete do Rei era bem rendoso. Ganhava Enedim, cem dinares por dia; ademais morava numa grande casa, tinha alguns criados e todos os nobres da corte saudavam-no respeitosamente. 

 

O trabalho de decifrar o livro misterioso não era fácil, mas Enedim não desistia de descobrir o grande mistério de Bresa, investigava cada informação, pedia orientações sobre o que ainda não conhecia, nunca se arriscava como um curioso.

 

Continuando a ler o livro encontrou várias páginas cheias de cálculos, números e figuras. Para entender o que havia no livro, estudou matemática com os calculistas da cidade e, em pouco tempo, tornou-se grande conhecedor das complicadas transformações aritméticas. 

 

Graças aos novos conhecimentos, calculou, desenhou e construiu uma grande ponte sobre o rio, facilitando muito o comércio da cidade. Esse trabalho agradou tanto ao Rei, que o monarca resolveu nomear Enedim para exercer o cargo de Prefeito, visto que nunca fazia nada à toa ou sem necessidade. 

 

Como um prisma distribui a luz em formato de arco-íris, Enedim distribuía os elogios e presentes, que recebia do rei e seus admiradores, para todos aqueles ao seu redor, assim todos queriam ajudar o Enedim em seus estudos e projetos. Todos o viam como um líder.

 

Sua força crescia pela leitura. Ativo e sempre empenhado em desvendar os segredos do tal livro, foi compelido a estudar profundamente as leis, os princípios religiosos de seu país e os do povo da região; com o auxílio desses novos conhecimentos, conseguiu Enedim dirimir uma velha pendência entre os doutores, trazendo paz àquela região. 

- É um grande homem, o Enedim! - declarou o Rei quando soube do fato.

- Vou nomeá-lo Primeiro Ministro.

 

E assim o fez. Foi o nosso esforçado herói, ocupar o elevado cargo de Primeiro Ministro.

 

Vivia, então, num suntuoso palácio, perto do Jardim Real, tinha muitos criados e recebia visitas dos príncipes mais poderosos do mundo, que um a um, se encantavam com a sabedoria ofertada, firmando alianças em troca de conhecimentos que os fizessem prosperar nos seus respectivos reinados.

 

Graças ao trabalho e ao grande SABER de Enedim, o reino prosperava majestosamente e a capital ficou repleta de estrangeiros; ergueram-se grandes palácios, várias estradas se construíram para ligar aquele lugar às cidades vizinhas. 

 

Enedim era o homem mais notável do seu tempo. Ganhava diariamente mais de mil moedas de ouro, e tinha em seu palácio de mármore e pedrarias, caixas cheias de jóias riquíssimas, e de pérolas de valores incalculáveis.

 

Mas - coisa interessante! - Enedim não conhecia ainda o segredo do livro de Bresa, embora tivesse lido e relido todas as páginas! Como poderia penetrar naquele mistério?​

 

Até que um dia decidiu ir ao encontro do respeitável e discreto sacerdote e Guardião da Pirâmide. Conversando com o velho amigo, referiu-se à incógnita que o atormentava contando toda sua história.

 

O sacerdote, sorrindo, esclareceu: "O tesouro de Bresa já está em seu poder meu senhor, pois graças ao livro libertou-se da ideia que um tesouro verdadeiro era constituído de ouro e jóias, e pode ser esforçar na direção certa de adquirir grande saber, que lhe proporcionou os muitos bens que possui. Afinal, BRESA significa SABER; e HARBATOL quer dizer TRABALHO.

 

Siga, “Sempre rumo ao Tesouro de Bresa e com muito Harbatol!!”

 

Enedim ficou maravilhado com o que tinha descoberto, o verdadeiro tesouro.

 

Assim Enedim percebeu a importância de aprender a ler a natureza e que nela estão os ensinos mais valiosos, os ensinos da vida, livrando-o cada vez mais da ignorância e celebrando a sabedoria.

 

por - Ville Medeiros e Lucas Sábio

Baseado no conto de Malba Tahan - O Tesouro de Bresa

  • PatrulhaEUREKA.org
  • PatrulhaEUREKA.org
  • PatrulhaEUREKA.org

Sempre rumo ao tesouro de Bresa e com muito Harbatol!!

Avenida Benjamin Constant, 2023 - Centro - Boa Vista (RR)

(95) 99904-1879

contato@patrulhaeureka.org

Parceiros e Patrocinadores
LOGO EasyDS ATUAL.png